Iraci Campos Noronha

bosboleta azul.png
eb05a913-6f98-4d5f-b694-65f203e50d8c.jpg

Iraci Campos Noronha nasceu em Indaiatuba (SP) e desde criança acompanhou sua mãe e seus tios na obra social por eles fundada em sua cidade, onde implantaram um Educandário e um lar de idosos.

 

Desde cedo acostumou-se às tarefas pertinentes a obra social e logo iniciou-se em tarefas de cunho espiritual. Desenvolveu prematuramente sua mediunidade, que foi aflorando e tornando-se bastante ostensiva, o que a colocava em tarefa de preparação para grande obra que no futuro viria.

 

Mudou-se para o Rio de Janeiro em 1993 e continuou sua escalada rumo ao aprimoramento espiritual. Em 2004, no encontro com Divaldo Pereira Franco, ele disse que aquele era um reencontro de almas muito amigas que caminham juntas há muitas vidas. 

Posteriormente, em 2007, no intervalo de um seminário, o mesmo a chamou e disse que Joana de Angelis estava ao seu lado dizendo que Iraci deveria fundar uma casa espírita na Barra da Tijuca e que ela estaria sempre ao seu lado para auxiliá-la. Iraci agradeceu emocionada e Joana respondeu “não agradeça, faça tudo aquilo que você já sabe”. Emocionada, Iraci arregaçou as mangas e colocou em prática tudo que aprendeu.

 

Em 29 de janeiro de 2007 foi fundado o Centro Espírita Joanna de Ângelis (CEJA-Barra), que funciona sobre orientação de Joanna de Ângelis e sua equipe. Em seguida, nasce o projeto do que hoje é o Instituto Mãos Unidas, que atende mais de 600 famílias de comunidades carentes da Zona Oeste do Rio de Janeiro, com diversas atividades assistenciais nas áreas sociais, de saúde física e mental, distribuição de cestas básicas, cursos além de trabalho com moradores de rua.


A próxima missão do Instituto Mãos Unidas é a construção do Educandário Joana de Ângelis a fim de encaminhar crianças de comunidades para educação de qualidade e assistência especializada, as afastando assim, dos riscos de uma infância mergulhada na extrema pobreza e em uma enorme violência.